UEPG guarda tesouros de 400 milhões de anos

Laboratório de Paleontologia tem visitação aberta ao público

Um lugar cuja missão é recontar a história do planeta. Quatrocentos milhões de anos de história estão armazenados no Laboratório de Paleontologia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Localizado no Campus Uvaranas, o laboratório possui coleção de mais de 20 mil amostras de registros animais e vegetais, datados, em sua maioria, do Período Devoniano.

O Laboratório é sede do grupo de pesquisa Palaios – Paleontologia Estratigráfica, do Programa de Pós-graduação em Geografia da UEPG (PPGGeo), coordenado pelo professor Élvio Pinto Bosetti. O objetivo é reunir, numerar, catalogar e armazenar as amostras coletadas em campo pelos pesquisadores do Grupo e disponibilizá-las para o desenvolvimento de pesquisas. O Palaios opera em rede e reúne sete universidades de diferentes regiões do Brasil, sob coordenação da UEPG, na realização de estudos em conjunto na área.

A história do Laboratório de Paleontologia se integra à trajetória profissional de seu coordenador e fundador. Élvio explica que o Laboratório foi criado no ano de 2000, quando deu início ao seu trabalho de Doutorado e, junto de cinco alunos, começou a organizar e catalogar o acervo paleontológico da Universidade. Após negociações com a Reitoria da UEPG, foi criado o espaço, cuja estrutura é a mesma desde 2012. Desde sua fundação, o Laboratório de Paleontologia e as pesquisas ali desenvolvidas tornaram a UEPG referência na área e os resultados dessa atuação são as parcerias com diversas instituições.

“Somos referência nacional em pesquisas do Devoniano. Eu não conheço, na América do Sul, acervo desse período maior que o nosso”, exalta o professor. Ele ressalta a referência que o Laboratório de Paleontologia da UEPG e seu extenso acervo representam para a Ciência, com um nível de abrangência de seus trabalhos que englobam desde pesquisas internacionais, publicações em revistas no Brasil e eventos locais. A atuação do Laboratório é, há anos, reconhecida pela Sociedade Brasileira de Paleontologia. “Nosso trabalho tornou Ponta Grossa um polo formador de paleontólogos reconhecido em todo o país”.

Outro diferencial para a atuação do Laboratório está nas características da região dos Campos Gerais, marcada pela grande presença de fósseis do Período Devoniano. A região concentra grande diversidade de registros, carregados de informações sobre a vida no planeta há 400 milhões de anos. Durante o Devoniano, datado de 416 milhões a 359 milhões de anos, a região estava submersa por grande oceano, onde uma incrível variedade de formas de vida florescia.

Em meio à diversidade de conchas, vermes e trilóbitas, ancestrais dos artrópodes, o Laboratório detém tesouros únicos: esqueletos e barbatanas de pequenos peixes e tubarões que nadaram pelos Campos Gerais passam quase imperceptíveis nas rochas, não fosse o olhar treinado dos paleontólogos. As amostras são únicas no mundo e compõem pesquisa em andamento no Laboratório, encabeçada pela doutoranda Iniwara Kurovski.

Acesso ao público 

A riqueza paleontológica dos Campos Gerais pode ser vista pela população. Parte do acervo coletado pelo Grupo Palaios e o Laboratório de Paleontologia está em exposição do Museu de Ciências Naturais da UEPG (MCN), no Campus Uvaranas. A coleção de fósseis do MCN conta com cerca de duzentas peças, com destaque ao material do Período Devoniano. O coordenador do Museu, professor Antônio Liccardo, destaca ser essencial expor as peças para exaltar a referência que a UEPG é nesse campo de estudo.

“O Museu de Ciências Naturais é uma vitrine para essas pesquisas. Levamos ao público um conhecimento desenvolvido ao longo de décadas e que tornaram nossa universidade referência nesse campo do conhecimento”, destaca o coordenador. Ele ressalta que cada fóssil exposto é único e carregado de informações. “Nossa função, enquanto Museu, é traduzir essas informações ao público e despertar o fascínio das pessoas sobre o passado da Terra”. O Museu de Ciências Naturais da UEPG funciona de segunda à sexta-feira, das 9h30 às 12h e das 14h às 17h30.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.